Opinião: "ONU: Unidos para sacanear"

Por: Arnaldo Cogorno M.

Documento da AP de 04.11.2011: "O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, disse ontem que as gestões dos palestinos para entrar em outras organizações da instituição mundial, depois de terem entrado na Unesco, não beneficiam a Palestina nem ninguém. Segundo Ban, milhões e milhões de pessoas poderiam ser afetadas se o financiamento dos organismos da ONU for reduzido como resultado das gestões palestinas".

Não deixa de assombrar o servilismo próximo à perversão dos "porta-vozes" dos mal chamados organismos internacionais, com os interesses norte-americanos e seus aliados. Agora, a responsabilidade da Unesco de ficar sem orçamento não é dos gringos mas sim dos Palestinos, que com o voto a favor de 146 países, passou a fazer parte deste organismo cultural adscrito à ONU. O argumento do Secretário-Geral é semelhante às propostas que acreditávamos superadas há tempos e que justificaram durante um longo tempo a opressão de povos e raças.

Logo, o genocídio indo-americano não foi culpa dos espanhois mas sim dos próprios nativos, malandros que se negavam a se cristianizar, por isso tiveram que ser submetidos.

Os negros trazidos como escravos tinham que ser castigados e açoitados, para evitar sublevações e pensamentos impuros.

Da mesma forma, o grande império inglês teve que submeter através da força e da violência todos aqueles povos e súditos que se negaram a ser "civilizados".

Sempre houve uma explicação para tudo isso. A ordem natural das coisas estabelece que uns foram feitos para mandar e submeter, e outros para obedecer e serem submetidos. O anormal é que estes últimos pretendam se rebelar, reivindicar seu direito a existir e conviver em igualdade de condições com a raça humana, e aqueles que se atrevem a tal pretensão devem sofrer as consequências do seu atrevimento.

Dessa forma, vemos um Ban Ki-Moon (espécie de Sipahi do século XXI) deixando claro que a ameaça não é os Estados Unidos nem Israel por pretender o domínio absoluto sobre o Oriente Médio e o mundo em geral, mas sim os desalmados palestinos, culpados por pretender um lugar no concerto das Nações, atrevimento que lhes custou milhares de vidas ao longo dos anos e que agora vai deixar sem uma quarta parte do financiamento atual, ao organismo que atende o tema cultural na ONU.

Infelizmente, são muitos os Moon's que andam pelo mundo justificando todas as atrocidades e barbaridades inventadas pelos países dominantes, em nome do "progresso" e da "democracia". É mais do que evidente que o modelo da ONU não está só esgotado, é uma verdadeira ameaça à sobrevivência da raça humana e do planeta em si. É preciso criar organizações e estruturas que permitam o reconhecimento dos povos em um âmbito de inclusão, em condições de verdadeira igualdade no plano internacional. É uma meta ambiciosa, utópica, alguns poderiam pensar, mas imprescindível se pensarmos nas consequências de continuar aceitando tanta incongruência e cinismo predominantes na atual ONU.

Fonte: http://www.aporrea.org/internacionales/a133402.html